Archive by Author
Nota

Guardanapo e Poesia

1 maio

Guardanapo e Poesia

Guardanapos já tiveram muitos papéis na sociedade, sua função inicial era limpar a boca, mas já foram usados até para mandar recados num bar. Atualmente seu uso mudou. Hoje vou lhes apresentar Antônio, criador do tumblr Eu Me Chamo Antônio. Suas artes também circulam no Facebook, pela página de mesmo nome, e já possui mais de 120 mil curtidas.

Aí está o motivo da tão grande mudança no uso de guardanapos, Antônio designou uma nova função a eles: tornou-os um palco de poesias. O publicitário escreve mensagens inspiradoras e trocadilhos sensacionais, dispondo apenas de um pedaço de papel e uma caneta. Antônio está poetizando os internautas e fazendo-os refletir.

Ele afirma na descrição de seu Tumblr: “Aqui você encontra meus textos mais curtos, que funcionam como legendas para imagens que não precisam de explicação. Você encontra também imagens simples que ilustram palavras que não exigem complicação.”

O motivo de estar postando sobre ele não é somente seus lindos dizeres, mas a aplicação de ótimas tipografias nas suas obras e que não devem ficar desconhecidas.

Com tanta beleza seria impossível reunir aqui as melhores, até porque são muitas, então resumi nas que eu mais gosto:

Antonio2 Antonio3 Antonio4 Antonio5 Antonio6

Veja mais aqui ou aqui.

Nota

Como criar a sua tipografia

6 nov

Como criar a sua tipografia.

Temos diversas fontes disponíveis no mercado, onde uma ou outra irá se adequar naquilo que o seu cliente procura, só que em alguns casos não é tão fácil encontrar uma fonte que expresse aquilo que foi pedido pelo cliente.

A solução é você criar uma fonte exclusiva para ele, porém muitos designers não sabem como fazer isso, abaixo estaremos indicando 5 dicas de sites e programas, onde você pode criar sua própria fonte ou fazer alterações nas fontes existentes.

1. BitFontMaker

É um editor de fontes bitmap online, onde você pode desenhar as suas fontes, pixel por pixel. Bastante simples de usar e quando você termina de criar sua fonte, você pode fazer o download e salvá-la como um arquivo TrueType(.ttf).

2. FontStruct

Online e gratuito. Depois do trabalho pronto, você pode salvar e baixar a fonte para o seu computador como uma fonte TrueType (.ttf), instalar e usar em Windows ou Mac.

 

 

 

 

 

 

3. FontForge

É grátis, mas você precisa baixá-lo. Pode ser usado em Windows, Mac e Linux. Nele, você pode criar a sua própria fonte ou modificar uma fonte já existente. Ele suporta vários tipos de arquivos de fontes como TrueType (.ttf), PostScript (.ps), OpenType (.otf), entre outros.

4. Type Light

É grátis, mas está disponível apenas para Windows. Com ele você pode modificar fontes existentes ou criar a sua própria fonte a partir de um desenho.
Este programa suporta fontes do tipo TrueType, OpenType e PostScript, podendo converter os tipos de arquivos de fontes de um para outro.

 

5. Gbdfed Bitmap Font Editor

Mais um gratuito e você poderá usá-lo para criar ou modificar fontes. Ele tem um suporte nativo para fontes BDF e outros tipos menos conhecidos de fontes, mas elas podem ser exportadas no formatos OpenType. O processo de instalação pode não ser um dos mais fáceis. O programa foi criado para Linux e precisa de GTK+ (um tipo de complemento relacionado ao Gimp – programa de edição de imagens para Linux, parecido com o Photoshop) para ser instalado.

 

Bibliografia:

 

Produzido por:

Nota

Espécies de Caracteres

6 nov

Espécies de Caracteres

Primeiramente, carácter(caractere) é um nome dado a cada simbolo usado para produzir textos apresentados no computador.

Existem muitas espécies de caracteres, pois cada fonte possui sua característica própria, mas as que são gerais para todas as fontes são:

Maiúscula: Que também são conhecidas como caixa alta, pois são maiores do que os caracteres normais.

Minúscula: Que também são conhecido como caixa baixa.

Com serifa: São caracteres que possuem uma haste a mais em suas extremidades.

Sem serifa: São os caracteres que não possuem hastes em suas extremidades.

Acentos gráficos: São acompanhados pelas letras às quais se referem. Muitas fontes digitais não possuem essa acentuação. (`, ´, ~, ^)

Algarismos: São números de todos os tipos que não seguem a mesma composição de sua família de fonte.

Sinais de pontuação: São todos os tipos de sinais existentes como por exemplo: (?, ! , ., ; ).

Símbolos de operações matemáticas: São todos os sinais matemáticos, como por exemplo: (-, +, =).

Símbolos monetários: São símbolos que são indicadores de quantias de valores, exemplo: $.

Esses são as espécies de caracteres mais usados e que na maioria das fontes não mudam, são as mais conhecidas por qualquer tipo de público independentemente de seu conhecimento.

Bibliografia:

Produzido por:

Nota

Comic Sans, a renunciada pelos designers.

6 nov

Comic Sans, a fonte renunciada pelos designers.

Comic Sans é uma fonte que foi criada em 1994  pelo engenheiro de tipografia Vincent Connare e foi direcionada para uso em softwares infantis  na versão Microsoft Bob, como já havia acontecido em outras criações. A fonte foi baseada na escrita para balões de falas de história em quadrinhos que se encontrava no escritório do designer.

A criação da fonte demorou para acabar, pois há todo momento Vincent fazia uma modificação, e por esse motivo ela não foi incluída no projeto da Microsoft, mas mesmo assim os programadores do projeto Microsoft 3D Movie Maker, que iriam usar balões de falas, decidiram adotar a fonte. Tempo depois a fonte foi incluída com o pacote Windows 95 Plus! e desse tempo para cá a fonte só ganhou mais popularidade e a renúncia dos designers.

E por que essa renúncia?

A maior parte dos designers dizem que a Comic Sans é uma total falta de senso. Ela foi classificada como uma fonte casual e os designers alegam que ela não pode ser casual pois seu script não é conectivo (as letras não combinam entre si) e foi criada para imitar a escrita à mão em histórias em quadrinhos e para uso em documentos informais.

Na prática a história é totalmente diferente, a fonte começou a ser usada deliberadamente em outdoors não infantis, cartas comerciais, avisos em empresas, ruas e obras, em geral é usada incorretamente em situações sérias, formais e ambientes profissionais. A fonte causa polêmica na internet e qualquer projeto formal que utilize Comic Sans é alvo dos críticos.

Está acontecendo um manifesto para que a fonte Comic Sans seja banida, o site responsável por tal protesto é o Ban Comic Sans.“Ela não é nem mesmo guilty pleasure. Não é como assistir um filme de Brett Ratner ou ouvir um CD do Kenny G. Nenhum prazer pode ser derivado do uso de Comic Sans.” Alegou os protestantes.

Recentemente, os cientistas responsáveis pelas pesquisas sobre a Bóson de Higgs foram altamente criticados por usarem Comic Sans nos slides do anúncio da descoberta da partícula.

“É apropriado usar Comic Sans se você não tem bom gosto. Usar Comic Sans (exceto em quadrinhos) é como fazer física usando unidade imperial”, afirmou Alastair Houghton, dono da conta @alastairh no Twitter.

“Por favor, não use Comic Sans. Somos uma das 500 maiores empresas segundo a Fortune, e não uma barraquinha de limonada.”

Apesar de toda a polêmica contra a fonte, há quem a defenda. Há pouco mais de um ano, dois designers franceses Florian Amoneau e Thomas Blanc criaram o “Comic Sans Project“, um projeto que propõe a restituição do uso da fonte no mundo do desenho.

Que a Comic Sans é utilizada inapropriadamente é algo certo, mas a ideia de usá-la em projetos infantis me causa algumas dúvidas, pelo fato de ela não ser conectiva o visual não é um dos pontos fortes dela, para crianças, talvez, ela é uma boa opção para fácil entendimento. Porém, atualmente temos tantas opções mais modernas, de fácil entendimento e voltadas para o público infantil, por que não usá-las? Os momentos em que a Comic Sans esteve em alta já passaram, é hora de atualizar.

Bibliografia:

Produzido por:

Nota

Tipografia Cinética

5 nov

Tipografia Cinética

Tipografia Cinética (Kinetic Typography) é uma técnica de animação de texto em movimento usada para expressar ideias e transmitir toda uma emoção a mais para o espectador. Essa técnica pode ser usada em músicas, falas, filmes ou qualquer outro tipo de som.

Os primeiros exemplos usando Kinetic Typography surgiram em 1899 com o publicitário George Méliès. Nessa época o texto era mais estático e com o passar das décadas essa técnica foi adotada para a abertura de filmes.

Aqui estão alguns exemplos de Tipografia Cinética produzidas por brasileiros, entre filmes e músicas:

O Auto da Compadecida

Another Brick In The Wall – Pink Floyd

Ó Paí, Ó 

Somebody To Love – Queen

Lisbela e o Prisoneiro

Bibliografia:

Produzido por:

Nota

Sistema de Medidas

5 nov

Sistema de Medidas Tipográficas

Uma das primeiras unidades tipográficas foi a “pica”, nome dado na Inglaterra no século XV, era utilizada em livros regularmente para o ritual das festas da igreja. Equivalente a 1/6 de uma polegada ou 12 pontos (4’233 mm.).

Pierre Simon Fournier, um jovem francês, definiu um sistema proporções sistemáticas para lançar os personagens, que chamou “duodecimal”. Isso levou o menor tipo de letra usado comumente chamado “nomparela”, dividido em seis partes, cada uma das quais deu o nome de ponto, com base em que começou a fabricar, desde 1742, todo o material de fusão de digitação. Ajustar a 12 pontos (o dobro do nomparela, equivalente a 4,512 milímetros) é chamado “Cícero”.

Atualmente existem alguns tipos de medidas tipográficas que com o passar do tempo foi se alterando e melhorando cada vez mais para utilização tanto na web quanto em impressões.

Bibliografia:

Produzido por:

Nota

Famílias Tipográficas

5 nov

Famílias Tipográficas

Uma família tipográfica é um conjunto de fontes tipográficas com as mesmas características em relação ao seu estilo, fundamentos, porém apresentadas com variações de espessura, largura, altura e outros detalhes.

As famílias tipográficas também são conhecidas com o nome de famílias de fontes (do francês antigo fondre, correspondente em português a derreter ou fundir, referindo-se ao tipo feito de metal fundido). Uma fonte pode ser metal, película fotográfica ou meio eletrônico.

Existe uma infinidade de famílias tipográficas. Algumas delas têm mais de quinhentos anos, outras surgiram na grande explosão criativa dos séculos XIX e XX, outras são o resultado da aplicação dos computadores à imprensa e ao desenho gráfico digital e outras foram criadas explicitamente para sua apresentação na tela dos monitores, impulsionadas em grande parte pela web.

Umas e outras convivem e são usadas sem estabelecer diferenças de tempo, por isso é necessário estabelecer uma classificação que nos permita agrupar aquelas fontes que têm características similares.
São muitas as tentativas por conseguir agrupar as formas tipográficas em conjuntos que reúnam certas condições de igualdade. Geralmente estão baseados na data de criação, em suas origens dentro das vertentes artísticas pelas que foram criadas ou em critérios morfológicos.

Alguns exemplos de famílias tipográficas:

                     Dom Casual                                                                   Garamond

                                                                

 

Bibliografia:

Produzido por: